Minha Casa...Minha Alma...

Viagem com Tânia por um mar desconhecido...

Textos


MISSA DA MÃE




                   Depois que a mãe morrera. o primeiro filho abriu a porta do quarto que quase nunca visitara, e encontrou as coisas dela: um resto de milho alho num vidro, pedaços de retalhos de costura, um livro na cabeceira ( pura surpresa), pois,  provavelmente nunca lera - Os Segredo da Mente Milionária, e na prateleira entre livros outros e poesia, havia um de capa vermelha, de folhas envelhecidas. escrito - Viagem por um Mar Desconhecido. Não deu importância, e pegou um, que em seu aniversário, ela dedicou a ele - O Poder do Agora. Esse, ele levou.
Depois entrou o segundo filho: sentiu o cheiro da mãe e sentiu vontade de chorar. Mas não queria o exemplo dela - uma pessoa cheia de auto piedade, para ele. Tinha familia pra cuidar. Mas como era cheio de sentimentalidade não suportava ficar tanto tempo ali. Ainda estava muito ferido com a perda.
A alma da mãe ainda estava entre as coisas. E essa mesma alma, viu que não fora amada como queria... Porque também nunca soube amar como queria... Mas como era autopiedosa. e depois de morta não se muda, respondeu pra si mesma:
- Também, não tenho do que me culpar, pois minha mãe também não soube me amar. E provavelmente, a mãe dela também não! E assim é.
E saiu limpa, sem culpa, sem ressentimentos, para procurar sua turma: dos que já morreram, antes dela!


Tânia de Oliveira
Enviado por Tânia de Oliveira em 17/12/2017
Alterado em 17/12/2017

Música: Ziemlich beste Freunde Soundtr - Ziemlich



Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras